Área de Acesso Reservado

Login inválido.
Password inválida.
×

Weblevel

Blog Weblevel

17 Abr 13


Quatro alternativas para substituir o Google Reader

Cerca de oito anos depois do lançamento, o serviço de RSS do Google vai fechar, lançando muitos utilizadores na busca de outra opção. Uma análise a quatro serviços alternativos.

google10

Dependendo da pessoa a quem se fizer a pergunta, a grande notícia desta semana pode não ter sido a nomeação do Papa: a decisão do Google de fechar o Google Reader, um serviço de leitura de feeds RSS, tornou-se um dos temas mais debatidos no Twitter, motivou um número incontável de artigos, gerou protestos, paródias (como mais uma adulteração do já conhecido excerto do filme A Queda) e deu azo a petições.

De forma simples, RSS é uma tecnologia que permite receber os conteúdos de um site, ordenados cronologicamente – o utilizador pode lê-los num num serviço online, em aplicações móveis ou em aplicações no computador. O PÚBLICO, por exemplo, disponibiliza um feed com todos os artigos. Muitos sites permitem aos leitores seguirem apenas o que lhes interessa: secções específicas ou as notícias da primeira página. Praticamente todos os blogues incorporam esta tecnologia.

O facto de não haver uma alternativa óbvia ao Google Reader diz muito da promessa por cumprir em que a tecnologia RSS se tornou. Há uns anos, chegou a ser um símbolo de modernidade nos media que procuravam adaptar-se ao mundo digital. Na prática, foi difícil convencer muitos utilizadores da utilidade do RSS (e o facto de ter uma sigla de significado algo crítptico não ajudou). Mais recentemente, a prática de partilhar notícias e artigos nas redes sociais veio retirar importância ao RSS como forma de disseminação de conteúdos. Sem revelar números, mas explicando ter cada vez menos utilizadores no Reader, o Google decidiu pôr um fim ao serviço a 1 de Julho.

Há mais sites a escreverem sobre as alternativas do que alternativas propriamente ditas. De todas as sugestões que circulam na Web, seleccionámos quatro, considerando como critérios serem gratuitas, poderem ser usadas num browser no computador e também num telemóvel ou tablet, e terem um conceito de utilização pelo menos próximo do Reader. Desta lista, escolhemos um que nos pareceu, ao fim de um curto período de quatro horas de comparações, o melhor.

A lista de finalistas

The Old Reader
É uma espécie de clone do que o Google Reader era há algum tempo. Inclui funcionalidades sociais de partilha de artigos e permite seguir utilizadores e ser seguido – mas, pelo menos por ora, é pouco provável que um utilizador lá encontre os seus contactos.

Durante a tarde desta quinta-feira, o desempenho deixou algo a desejar, o que pode ser explicado pelo número de pessoas que presumivelmente estão a testar o serviço na sequência do anúncio de fecho do Reader. Segundo um aviso no site, foi precisamente o grande número de novos utilizadores que tornou impossível importar o ficheiro com todos os feeds do Google Reader (este ficheiro pode ser obtido através desta ferramenta e possibilita a transferência dos feeds para outro serviço).

The Old Reader não tem aplicações móveis, mas o site pode ser consultado num browser e ajusta-se ao ecrã pequeno dos telemóveis. Nestes casos, a experiência não é a melhor, mas o serviço é usável (excepto no browser do Windows Phone, onde não foi possível abrir os artigos dos feeds).

Feedly
O Feedly apressou-se a aproveitar a decisão do Google. Anunciou que, se os utilizadores importarem agora os seus feeds e se começarem a usar o serviço, não precisam de se preocupar com mais mudanças. O Feedly assenta no próprio Google Reader, mas está a trabalhar para poder em breve funcionar de forma independente.

O acesso ao site pode ser feito com a própria conta do Google e os sites seguidos ficam imediatamente disponíveis. Uma página chamada “Today” mostra artigos destacados com base na repercussão nas redes sociais.  Clicando em “All”, obtém-se uma mais tradicional listagem de artigos (é possível especificar qual destas duas páginas é exibida quando se entra no site).

Inicialmente, o Feedly mostra os artigos acompanhados de imagem e dispostos numa grelha, mas é possível escolher várias visualizações, incluíndo uma lista simples, como no Google Reader.

O serviço é mais complexo do que o do Google Reader e tem imensas opções de configuração (tipo de letra,  cores, acções de empresas cujo desempenho em bolsa pode ser seguido), mas a maioria destas opções podem ser ignoradas e o Feedly está praticamente pronto a usar sem ser preciso tocar nestes parâmetros.

O site activa ainda uma ferramenta (que pode ser desligada) e que surge em todos os outros sites, no canto inferior direito, permitindo partilhar a página aberta nas redes sociais ou guardá-la para ler mais tarde no próprio Feedly.

Está disponível como aplicação nativa para Android e iOS.

Skimr
O Skimr leva a simplicidade ao limite. É fácil importar os feeds do Reader, embora estes tenham demorado cerca de dez minutos até finalmente aparecerem na página.

O Skimr não permite fazer mais nada para além de ler o título, um excerto e continuar a leitura no site de origem. Não lista sequer a quantidade de itens por ler (o que até pode ajudar a reduzir o stress de ter a leitura em atraso), não inclui funcionalidades de partilha, nem opções sofisticadas de visualização.

O site pode ser acedido no browser do telemóvel sem problemas e, dada a simplicidade, foi o que se revelou mais rápido. Este é o maior trunfo do Skimr, um serviço que só apelará a quem procurar uma experiência muito minimalista ou a quem queira uma forma rápida e prática de carregar os feedsno telemóvel sem instalar uma aplicação nativa.

Netvibes
O Netvibes é um veterano no campo dos serviços de informação personalizada. Permite ter uma página com várias “caixas”, onde é possível listar vários tipos de informação, desde notícias a meteorologia. Saltando esta funcionalidade, porém, o Netvibes pode ser configurado e usado como um leitor simples de RSS.

É uma boa alternativa ao Reader. Para começar, porque permite usar praticamente todo o espaço de ecrã para a leitura de feeds: do lado esquerdo está uma barra com os sites seguidos e a área principal oferece uma listagem simples. Tal como acontece também no Feedly, cada artigo pode ser aberto e lido no serviço, guardado para ler mais tarde e partilhado em redes sociais.

O Netvibes tem, ainda em versão alfa, um site desenhado especificamente para iPhone, outro para telemóveis Android (ambos funcionaram bem) e um terceiro site para iPad.

A recomendação
A possibilidade de uma configuração apurada, a par de uma interface intuitiva e um design elegante levam-nos a recomendar o Feedly para quem esteja à procura de substituto para o Google Reader.

 

  – Público.pt

 

Sem comentários »

No comments yet.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URL

Leave a comment


Solicite um contato comercial Agendar uma reunião

Agende uma reunião com a nossa área comercial

Nome inválido.
Email inválido.
Telefone inválido.
×